Uma boa notícia sobre Mudança

Certo dia, fui a uma palestra da BK Vedanti. Ela é coordenadora do Brahma Kumaris no continente africano. O Brahma Kumaris promove a Meditação e qualidade de vida no mundo inteiro. Com o auditório lotado, ela falou sobre alguns passos para a Felicidade. Um deles ela chamou de MUDANÇA, e descreveu assim: “Se você é rabugento, infeliz, mal-humorado, tristonho, nervoso: MUDE! Simples, assim. Ao que todos riram, e ela completou assim: “Quando eu era jovem, eu ficava uma semana trancada no quarto sem conversar com meus pais se eles fizessem algo que eu não gostava. Eu era muito brava! “Quando comecei a meditar, percebi que aquilo me prejudicava. Então, decidi mudar.”

Enquanto escrevo este artigo, também me lembro do quanto eu já mudei. Olho para trás e vejo uma pessoa impulsiva, agitada e exigente demais consigo mesma. Alguém com extrema dificuldade em receber, aceitar ajuda. Não me achava no direito de fazer algo que não fosse trabalho.

Hoje sou grata por ter percebido os resultados negativos que essas posturas me traziam, podendo assim, decidir mudar.

Por que será que pessoas não mudam? Por que ainda algumas se apóiam da ridícula “síndrome de Gabriela”?

Sim, esta pergunta não quer calar, e poderíamos escrever linhas e linhas sobre os porquês. Mas eles apontariam apenas para a escuridão, e escrevo, hoje, para apontar para a Luz.

Eu vejo LUZ todos os dias em meu consultório, com pessoas que decidiram mudar. Decidiram porque perceberam que assim ganham, muito mais. Que, transpondo as limitantes barreiras construídas sobre valores ultrapassados e crenças negativas, abrimos iluminadas janelas de oportunidades, renovamos energias e ideias.

Vejo luz em exemplos como o de Ron Woodroof, um eletricista texano que era cheio de preconceitos, vivia na promiscuidade sem pensar nas conseqüências dos seus atos, até que descobriu que era soropositivo (portador do HIV). Na verdade, ele já apresentava todos os sintomas da AIDS quando resolveu lutar contra o prognóstico ruim que os médicos lhe apresentaram. Após o sentimento se desespero, ele DECIDIU que queria VIVER, e com isto, encontrou um OBJETIVO que o alimentou de MOTIVAÇÃO para iniciar uma jornada que acabaria beneficiando a muitos outros pacientes como ele.

Esta história real é contada de forma brilhante no filme Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club). É emocionante assistir à capacidade de mudança do ser humano. E aqui vai então, a melhor notícia que eu gostaria de dar: sabemos que as crenças negativas e os padrões de pensamento determinam nossas ações. Sim, é verdade. Mas a via é de mão dupla! Vejo através do COACHING, e como ficou claro no filme, que uma mudança de ATITUDE pode nos levar a uma alteração dos padrões de pensamento. Isto é fantástico! Ao decidir se engajar em uma ação diferente, Ron se despertou para novas ideias, tornando-se mais flexível, menos preconceituoso, mais criativo!

Sim, ações transformam pensamentos.

E você?  Sente que precisa de uma mudança e não sabe por onde começar? Está esperando há tempos uma ideia que não chega? Faça o seguinte: tome um tempo na sua casa, e vá coletando tudo que você não usa mais. Mas seja incisivo! Não se pergunte: Vou usar isto de novo? Mas sim; qual foi a última vez em que usei isto? Livre-se do máximo possível de itens, vendo os espaços novos sendo criados.

Faça e aguarde. Você irá se surpreender com o que poderá acontecer em seguida. Seu inconsciente registrará a informação de que você está LIVRE PARA O NOVO. Sua mente ficará mais limpa, mais aberta. A partir daí, pequenas coisas podem também ser mudadas: o trajeto de volta pra casa, o lugar onde senta para comer, etc. E então, que venha mais mudança!

5 Comments

  1. Natali Nicolino | 25 de novembro de 2014 at 10:17
     

    Perfeito! Ótima oportunidade de inserir este exemplo no seu texto, uma vez que o dia da luta contra a aids está chegando, dia 01/12!
    Grande abraço para a pessoa que me ajudou a dar o ponta pé inicial para a mudança! Bjs Juliana!

    Reply
    • Juliana Torres | 25 de novembro de 2014 at 15:39
       

      Querida Natali,
      Você é quem está de parabéns, por ser bem mais que uma infectologista. Muito além da capacidade intelectual, entrega sua humanidade aos pacientes. Sucesso na campanha!

      Reply
  2. José Maria Morais | 25 de novembro de 2014 at 12:38
     

    Ótimo seu artigo. Parabéns. O filme que vc comentou comigo é este? Clube de Compras Dallas (Dallas Buyers Club) ?

    Reply
  3. Carlos Ribeiro | 26 de novembro de 2014 at 14:38
     

    Há anos estou tentando tomar a decisão de coletar tudo que não uso mais, sempre imaginei que isso deveria ser ótimo, mas ainda não tomei a decisão… Espero que este texto me encoraje…

    Reply
    • Juliana Torres | 26 de novembro de 2014 at 15:25
       

      Força, Carlos!
      Como está escrito, os resultados são surpreendentes!
      Abraço

      Reply

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *